(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Biblioteca: Retorno provoca críticas

Cidade Comentários 18 de junho de 2010

A volta do acervo da Biblioteca Municipal “Zéca Batista” ao antigo endereço (Praça Americano do Brasil), não é unanimidade e recebe críticas


De acordo com o jornalista Henrique Duarte “o assunto é de interesse comunitário, especialmente para os que dependem de cadeira de rodas ou de aparelho auxiliar”. Ele relata que há cerca de cinco anos a Biblioteca foi adaptada a um imóvel alugado pela Prefeitura na Avenida Miguel João, depois de ficar, por algum tempo, no Centro Administrativo. O edifício, construído para sediar a instituição, no qual funcionou até o ano de 2001, na avaliação de Henrique Duarte, não oferecia condições mínimas de acessibilidade. Ele foi desocupado pelo então Prefeito Ernani de Paula, que instalou, em suas dependências, o programa denominado “Prefeitura 24 Horas”. Tempos depois, abrigou-se, ali, a Secretaria Municipal de Saúde.
Para o jornalista, “sem se entrar no mérito de erros ou acertos das administrações anteriores, a mudança foi providencial, porque levou o equipamento para recintos de piso térreo único. Agora, com o retorno da Biblioteca à Praça Americano do Brasil, percebe-se que o prédio continua da mesma forma. O primeiro e o segundo andares só têm acesso pelas escadarias. Não existem rampas nem elevadores” disse. De acordo com o jornalista, “o ideal seria uma rampa externa de pequeno ângulo que dê acesso aos dois pavimentos superiores”.

Questionamento
Henrique Duarte disse ao Contexto que “consultada a respeito, a Secretaria Municipal de Educação, à qual está vinculada a Biblioteca, adiantou que o Departamento de Braille foi instalado no térreo. Mas, permanece a indagação: e os cadeirantes, como deverão proceder para adentrarem ao recinto?” diz ele. Assegura, mais, que seria interessante e de utilidade pública, alertar os gestores municipais sobre o fato. E, se por ventura for irreversível a decisão, pelo menos que seja definido um prazo para construção de uma rampa adequada e que não desfigure o visual da Praça.
Ele lembra que o edifício da Praça “Americano do Brasil”, foi construído em 1988, especialmente para abrigar a Biblioteca. “Na época em que foi edificado, ainda não se cogitava sobre os conceitos de acessibilidade, cidadania, meio ambiente etc. De fato, é um local que facilita mais a chegada dos usuários, por situar-se no centro da Cidade. Entretanto, da forma como está, dificulta a entrada dos portadores de necessidades especiais”, alega.
Concluindo, Henrique Duarte assegura que “o que a comunidade precisa é de um prazo estabelecido para a solução. Um elevador ajudaria, mas a rampa de concreto e, adequadamente construída, soluciona o problema de forma definitiva”. Para ele, a Praça “Americano do Brasil” tem espaço suficiente para uma rampa rente ao prédio, projetada de modo a ornamentar arquitetonicamente, não a desfigurando.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...