(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Balanço de 2015: Exportações e importações fecham ano em queda

Economia Comentários 12 de fevereiro de 2016

Volume de importações feitas por Anápolis caiu mais de 21% na comparação com o ano anterior (2014). As exportações, também, apresentaram queda de mais de 16%


O ano de 2015 fechou com resultados negativos para os negócios internacionais. As exportações feitas por Anápolis, no ano passado, de janeiro a dezembro, sofreram uma queda de 16%, na comparação com o mesmo período de 2014. As importações registraram uma diminuição ainda maior, de 21,69%, na comparação entre 2015 e o ano anterior. Os números foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
No ano passado, as exportações feitas por Anápolis atingiram o volume de US$ 241,5 milhões, enquanto em 2014, o total chegou a US$ 288 milhões. Já as importações registraram, em 2015, volume de US$ 1,697 bilhão, contra US$ 2,167 bilhões apurados em 2014. O resultado é o pior desde 2010. A melhor marca na série histórica das importações foi registrada em 2011, quando o volume de compras externas superou a casa de US$ 3,168 bilhões. Quanto às exportações, a melhor marca na série histórica, que é tomada desde o ano 2000, foi registrada em 2014, com o volume de vendas externas de mais de R$ 288 milhões. O ano de 2015 não pode ser considerado um desastre para as exportações, mas quebrou um ciclo de crescimento que ocorria desde 2011.
A queda nas importações, conforme se pode visualizar pelos números do MDIC se devem, principalmente, à retração da indústria automobilística que, anos atrás, chegou a deter uma participação de quase 80% do volume das importações. O menor índice de exportações pode ser atribuído à redução do preço das commodities, como a soja, que é o principal produto exportado por Anápolis.
Conforme, ainda, os dados da balança comercial de Anápolis de 2015, o mês de março foi o que registrou os maiores picos de vendas e compras internacionais. As exportações, naquele mês, somaram mais de US$ 29,4 milhões. Já, as importações, mais de US$ 181,9 milhões. O pior desempenho nas exportações foi registrado em fevereiro: apenas US$ 3,9 milhões. E, nas importações, o pior mês foi abril, com volume de apenas US$ 104,9 milhões.
Os produtos básicos representam grande parte do volume das exportações, totalizando mais de US$ 210,5 milhões. Os produtos industrializados tiveram volume de venda de US$ 31,1 milhões. Nas importações, o quadro se reverte, com os produtos industrializados apresentando a quase totalidade do volume de compras externas, com cerca de US$ 1,693 bilhão. Os produtos básicos somaram pouco mais de US$ 3,373 milhões das importações.
Os principais produtos exportados por Anápolis, em 2015, foram: tortas e outros derivados da extração do óleo de soja (79,21% de participação); soja triturada (7,84%); outros veículos aéreos - aviões, helicópteros, dentre outros (4,35%); máquinas e aparelhos elétricos com função própria (1,75%) e partes de aparelhos de reposição (1,44%).
Os principais produtos importados, também em 2015, foram: sangue humano; sangue animal preparado para usos terapêuticos; vacinas; produtos imunológicos modificados, dentre outros (35,43% de participação); partes de acessórios de veículos (11,90%); medicamentos diversos (8,95%); automóveis de passageiros, incluindo os veículos mistos (wagon station), dentre outros (8,78%) e compostos heterocíclicos, exclusivamente de heteroátomos de azoto\nitrogênio (4,29%).

Destino e origem
Os 10 principais países de destino das exportações feitas por Anápolis, no ano passado, foram: Países Baixos/Holanda (77,06% de participação); Estados Unidos (8,63%); China (6,16%); França (2,77%); Tailândia (1,83%); Cuba (0,78%); Argentina (0,46%); Alemanha (0,40%); Paraguai (0,38%) e Angola (0,33%). Por blocos econômicos, as vendas externas ficaram assim definidas: União Europeia-EU (80,35% de participação); Estados Unidos (8,63%); Ásia (8,17%); Associação Latino Americana de Integração - Aladi (1,98%); África (0,53%) e demais blocos (0,35%).
Os 10 principais países de origem das mercadorias importadas por Anápolis, em 2015, foram: Coreia do Sul (26,98% de participação); Alemanha (24,89%); Estados Unidos (11,15%); Suíça (9,22%); China (7,65%); Índia (5,65%); Japão (3,93%); Itália (2,51%); México (1,02%) e Espanha (0,95%). Por blocos econômicos, as compras internacionais ficaram assim definidas: Ásia (45% de participação); União Europeia (29,57%); Estados Unidos (11,15%); Associação Europeia de Livre Comércio- AELC (9,22%); Associação Latino Americana de Integração - Aladi (2,62%) e demais blocos (2,44%).

Série histórica das exportações (US$)

2000 - 322.800
2001 - 2.959.705
2002 - 621.817
2003 - 2.655.868
2004 - 14.307.801
2005 - 38.755.971
2006 - 47.971.545
2007 - 36.958.163
2008 - 17.038.234
2009 - 68.157.340
2010 - 51.441.404
2011 - 239.098.987
2012 - 245.777.146
2013 - 271.265.800
2014 - 288.029.886
2015 - 241.515.639

Série histórica das importações

2000 - 72.939.551
2001 - 69.169.285
2002 - 50.277.860
2003 - 52.669.932
2004 - 86.032.829
2005 - 160.930.301
2006 - 390.400.727
2007 - 771.125.350
2008 - 1.361.134.215
2009 - 1.504.176.570
2010 - 2.517.817.959
2011 - 3.168.242.230
2012 - 2.249.090.530
2013 - 2.312.386.954
2014 - 2.167.152.488
2015 - 1.697.052.383

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...