(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Área degradada no Filostro vira centro de formação

Cidade Comentários 06 de maio de 2011

Espaço público que estava praticamente abandonado receberá centenas de jovens em cursos de formação e abrigará projeto inovador de recondicionamento de computadores


O Centro Social “Mirian Rezende”, localizado no Conjunto “Filostro Machado Carneiro”, na região Leste de Anápolis, deixou de ser um depósito de pneus velhos e de entulhos para atender, efetivamente, à comunidade, em uma de suas necessidades recorrentes: a formação para o emprego.
O projeto do Centro de Formação Profissional, que vem sendo trabalhado desde o final de 2010, numa parceria da Prefeitura Municipal com o SENAI, é pioneiro em Goiás e deve servir de modelo para outras iniciativas desta natureza. O Município cedeu as instalações físicas e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, está entrando com toda a estrutura pedagógica que, de início, vai viabilizar 17 cursos. Este número, todavia, irá aumentar progressivamente até à casa dos 50, abrindo em torno de 3 mil vagas para as pessoas que queiram se preparar para ingressarem no mercado de trabalho.
O diretor da Faculdade de Tecnologia Roberto Mange, Francisco Carlos Costa, lembrou que os moradores daquela região serão beneficiados com os cursos ali oferecidos, citando, dentre eles, os de montador automotivo; montador de som e alarme; instalador hidráulico; pedreiro; mecânico de motocicletas; alimentador de linha de produção; fabricação de velas e sabonetes, pedreiro de edificações e outros. Além disso, cursos com foco voltado para o público feminino como artesanato em decoupagem, artesanato traçado em fita e artesanato em flores de fuxico. Serão, também, disponibilizados cursos rápidos nas unidades móveis do Sistema S, como o Cozinha Brasil, do SESI. E, ainda, há previsão de que sejam oferecidas vagas para a educação de jovens e adultos da alfabetização ao ensino médio.
O prefeito Antônio Gomide ressaltou, durante a inauguração, ocorrida na última quinta-feira, 05, que em torno de 50 mil pessoas que moram na região Leste, estão sendo beneficiados com esta e outras ações, se referindo à reforma do CAIC, que passará a funcionar como escola de tempo integral, utilizando toda a estrutura que está sendo remodelada. Sobre o centro de formação, Gomide destacou que a iniciativa é uma “porta aberta para as pessoas que estão em busca de oportunidades e querem trabalhar”. Ele adiantou que, até o final do mês, a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) deve fazer um novo evento, junto com a Confederação Nacional da Indústria, para a apresentação deste novo modelo de parceria.

Centro para recuperar “lixo tecnológico”
Além da unidade de Formação Profissional, também vai funcionar no local o Centro de Referência Tecnológica Social, uma experiência inovadora em Goiás, que surgiu de um projeto apresentado pelo servidor da Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia, Edimilson Fernandes Vieira, que obteve o segundo lugar, em nível nacional, no Prêmio Técnico Empreendedor do SEBRAE, sobre o tema: inclusão social. O projeto foi o Centro de Recondicionamento de Computadores - Reciclatec, que agora saiu do papel, sob a sigla CRC.
O secretário de Ciência e Tecnologia, Fabrízio Ribeiro, adianta que, basicamente, o CRC trabalhará em quatro vertentes: a primeira delas é a coleta de equipamentos de equipamentos de informática que seriam descartados por usuários individuais ou empresas. A segunda, a triagem do material recolhido separando as peças que podem ser aproveitadas e a parte que irá virar “lixo tecnológico”. Numa terceira etapa, será feito o treinamento de pessoas que desejam atuar como técnicos em computador. O material doado se transformará em “matéria-prima” a ser utilizada pelos alunos. “Hoje, uma visita técnica para os serviços mais básicos, não sai por menos de 40 reais. Então, é uma boa oportunidade para muitos jovens”, sublinhou.
Finalmente, a última vertente do projeto é o descarte do “lixo tecnológico”. O secretário frisou que essa ação tem um apelo ecológico importante, pois vários dispositivos como circuitos eletrônicos das máquinas possuem metais pesados e altamente poluentes. Grande parte desse “lixo” pode ser reciclada.
De acordo com Fabrízio Ribeiro, uma das primeiras ações do CRC já está programada: será no dia 14 próximo, com um grande mutirão para a coleta de “lixo eletrônico”. As empresas ou pessoas interessadas em fazer doações, podem entrar em contato pelo telefone: 3902-1016.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...