(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Aparelho pode auxiliar estudantes com deficiência auditiva

Educação Comentários 05 de outubro de 2012

Projeto piloto começa a ser desenvolvido, com expectativa de implantação na educação infantil em 2013


Estudantes com deficiência auditiva das redes públicas de ensino contam com novo equipamento para facilitar o aprendizado. Trata-se de um conjunto formado por um pequeno chip emissor, na forma de microfone, usado pelo professor, e um receptor para o aluno. A experiência, inédita na rede pública, tem como objetivo ampliar ações de apoio a pessoas com deficiência.
O projeto-piloto para uso da nova tecnologia, iniciativa da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação, tem a participação inicial de 200 estudantes de 80 escolas das cinco regiões do país. “Queremos proporcionar um documento de orientações para expandir o atendimento. Esperamos, a partir de 2013, já atender a educação infantil”, explica a diretora de políticas de educação especial da Secadi, Martinha Clarete Dutra dos Santos. Segundo ela, este primeiro momento será de monitoramento e avaliação dos impactos pedagógicos para os estudantes.
As instituições de ensino foram selecionadas pelas secretarias estaduais de educação. Cada escola elegeu o professor que trabalhará com o equipamento. As unidades de ensino selecionadas, além de públicas, contam com salas de recursos multifuncionais implantadas, oferecem atendimento educacional especializado e têm, matriculados nos três anos iniciais do ensino fundamental, estudantes com deficiência auditiva usuários de aparelho de amplificação sonora ou com implante coclear.

Funcionamento
O dispositivo adota o sistema de frequência modulada (FM) para filtrar a voz do professor e eliminar os ruídos da sala de aula, de maneira a potencializar a acessibilidade acústica dos usuários de aparelhos de amplificação sonora e implante coclear (dispositivo eletrônico, parcialmente implantado, para proporcionar sensação auditiva próxima à fisiológica).
Com investimento de R$ 1,5 milhão, a pesquisa sobre a nova tecnologia foi desenvolvida pela Secadi em parceria com o Laboratório de Estudos do Comportamento Humano da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e com a Universidade de São Paulo (USP), câmpus Bauru. A evolução do processo nas escolas será acompanhada também por especialistas de outras instituições de educação superior.
Os 80 responsáveis pela implementação do projeto-piloto nas escolas selecionadas, além de pesquisadores das instituições de educação superior integrantes da experiência, participaram de curso de formação, nos dias 25 e 26 últimos. Promovido pelo MEC, o curso abrangeu a formação de pessoas que atuam na área de atendimento educacional especializado. (Paula FilizolaMinistério da Educação)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Educação

Ciências Ambientais - UniEVANGÉLICA tem aula inaugural do Mestrado e Doutorado da matéria

22/03/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA dá mais um passo importante para se transformar em uma universidade....

FAEG Jovem leva horta comunitária a escola pública

22/03/2019

No dia 18 último, o grupo Faeg Jovem, da Federação da Agricultura do Estado de Goiás, esteve pela manhã na Escola Munici...

Saúde na Escola conta com 100% de adesão em Goiás

15/03/2019

Os 246 municípios goianos se cadastraram no Programa Saúde na Escola com apoio da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás ...

Institutos Federais vão formar novos agentes digitais

07/03/2019

Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs) terão até 29 de março para aderir ao Programa Nacional d...