(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Anápolis tem alta incidência de sífilis

Saúde Comentários 20 de outubro de 2017

No número de casos de sífilis adquirida, ocupa o 5º lugar; nos casos em gestantes, o 3º e de sífilis congênita, o 4º


A Secretaria de Estado da Saúde divulgou o Boletim Epidemiológico da Sífilis, publicação técnica da Coordenação Estadual de IST/AIDS, com os dados de Goiás notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação de sífilis adquirida, sífilis em gestantes e sífilis congênita atualizados em série histórica até 30/06/2017.
Conforme os dados apresentados pela SES-GO, Goiânia apresentou, em 2016, o maior número de casos de sífilis adquirida, com 463 casos notificados. Na sequência vem Aparecida de Goiânia (405); Itumbiara (143); Planaltina (114) e Anápolis (109).
Quanto às notificações de sífilis em gestantes, Goiânia aparece com o maior número de notificações: 230, seguida por Aparecida de Goiânia (112); Anápolis (82); Rio Verde (57) e Itumbiara (53).
Quanto às notificações de sífilis congênita (em menores de um ano), os dados da SES são os seguintes: Goiânia (95 casos); Aparecida de Goiãnia (54); Rio Verde (31); Anápolis (27) e Jataí (12).
A Secretaria considera que os números são preocupantes, apesar de todo o trabalho de prevenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis e de incentivo ao pré-natal, realizado no âmbito do Sistema Único de Saúde do Estado. De 2013 a 2016, constatou-se aumento de 453% de sífilis adquirida, 31% de sífilis em gestantes e 107% de sífilis congênita.
A sífilis é uma doença sexualmente transmissível, contagiosa, caracterizada por cancros ou lesões nas regiões genitais e que pode apresentar sintomas variáveis e graus de gravidade, conforme a exposição de cada indivíduo. É causada pela bactéria Treponema pallidum que tanto pode ficar latente no organismo - sem muitos sintomas - como também, nas pessoas reinfestadas, levar a quadros mais graves de adoecimento.
A doença pode ser transmitida pela gestação da mãe ao filho, com sérias repercussões à saúde das crianças com ocorrência de consequências como cegueira, malformações e microcefalia. Por outro lado, a sífilis tem cura e tratamento, desde que o diagnóstico seja feito o quanto antes e os parceiros envolvidos sejam tratados.
No sentido de combater a sífilis, a Secretaria de Estado da Saúde tem desenvolvido as seguintes ações: capacitação em testagem rápida para sífilis na atenção básica e maternidades, visando o diagnóstico oportuno; capacitação no manejo clínico da sífilis para as regiões de saúde e instituição do comitê estadual de investigação de transmissão vertical de sífilis.
Neste sábado, 21, comemora-se o Dia Nacional de Combate à Sífilis, que ocorre no terceiro sábado de outubro, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da prevenção à doença e o seu tratamento adequado.

Considerações levantadas sobre boletim
epidemiuológico da sífilis

A análise dos dados apresentados no boletim epidemiológico da sífilis reflete os seguintes problemas:
1. Acesso tardio ao pré-natal: apenas 20% das gestantes com sífilis, tiveram o diagnóstico realizado no primeiro trimestre;
2. Diagnóstico tardio: aproximadamente 40% mães de crianças com sífilis congênita tiveram o diagnóstico no momento do parto ou após o mesmo;
3. Tratamento inadequado: 93,8% das mães de crianças com sífilis congênita tiveram o tratamento inadequado. Considera-se como terapia inadequada a gestante: a administração de outro medicamento que não seja a penicilina benzatina, o tratamento no período inferior a 30 dias antes do parto, não tratamento do parceiro que mantém contato íntimo com a gestante e tratamento inadequado para a fase clínica da doença;
4. Preenchimento inadequado da ficha de notificação: 23% das gestantes com sífilis não tiveram classificação clínica - campos ignorados/brancos. A ficha de notificação é um instrumento premente para a vigilância e análise do agravo, bem como para a construção de propostas de ação em saúde. Portanto, todos os campos devem ser preenchidos de forma fidedigna. (Informações do Boletim Epidemiológico da Sífilis da Secretaria de Estado da Saúde)

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Nova força-tarefa para combater a dengue, zika e chikungunya

16/11/2017

Durante solenidade realizada no Teatro Municipal, na última terça-feira,14, o Prefeito Roberto Naves reuniu dezenas de repr...

Dengue - Redução de casos economiza R$ 3,6 mi

09/11/2017

Com a chegada do período chuvoso, a Prefeitura de Anápolis volta a intensificar os cuidados com a dengue, chikungunya e zik...

Anápolis vai sediar campanha para doação de medula óssea

03/11/2017

Jovens e mães, Eva e Karise são duas amigas que enfrentam o mesmo problema: a leucemia. Eva Araújo, ex-servidora da Prefei...

Anápolis tem alta incidência de sífilis

20/10/2017

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou o Boletim Epidemiológico da Sífilis, publicação técnica da Coordenação Estad...