(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Anápolis sofre com regionalização de serviços

Saúde Comentários 17 de outubro de 2014

Secretário Luiz Carlos Teixeira traçou um diagnóstico da saúde pública do Município, numa reunião com os vereadores


O secretário municipal de Saúde, Luiz Carlos Teixeira, durante encontro com vereadores na Câmara Municipal, ocorrido no último dia 13, afirmou que o setor tem sofrido com a regionalização de serviços. Conforme narrou, de Jaraguá a Porangatu, não há UTIs públicas e grande parte dos municípios das regiões Norte e Nordeste, não têm maternidades. Com isso, boa parte dos pacientes são mandados para cá ou para Goiânia.
Na avaliação dom secretário, a situação não é pior, hoje, porque o Município está conseguindo estruturar a sua rede de atendimento, o que, inclusive, é um avanço dentro do Estado, em termos de estruturação desde a atenção básica até os procedimentos de alta complexidade.
O secretário ressaltou que, no Brasil, não é muito clara a definição sobre o perfil dos municípios, em relação aos atendimentos do Sistema Único de Saúde. Ele apontou que Anápolis tem um quadro inovador, com a estruturação da rede. Assim, cada encaminhamento feito pela regulação tem um destino. Ele explicou que o Hospital Municipal, por exemplo, voltou a fazer atendimentos de ortopedia e é também a “porta de entrada” para pacientes queimados. O município- revelou Luiz Carlos- contava em 2009 com 1.412 servidores na saúde e, hoje, são 2.846, ou seja, o número foi dobrado em cinco anos. Atualmente, o quadro da secretaria conta com 498 médicos. Ele reconheceu que, embora seja um número expressivo, ainda há falta de profissionais de especialidades, como pediatras, neurocirurgiões, dentre outros. Ele anunciou que a Prefeitura deverá realizar um novo concurso para contratação de pessoal para a saúde e a educação e que foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público, que permite à secretaria contratar médico para prover as demandas, sem o concurso, porque no último certame o interesse ficou abaixo da expectativa. O assunto, que envolve a questão da remuneração para a categoria, inclusive, está sendo discutido com o Sindicato dos Médicos. “Nós temos de encontrar uma solução que seja atrativa, mas compatível com a realidade do Município”, disse o secretário.
Luiz Carlos informou que em Anápolis, estão em plena atividade 54 equipes do programa Estratégia de Saúde da Família (antigo PSF) e que estão sendo construídas novas unidades básicas, nos seguintes setores: Parque Residencial das Flores, Iracema, Vila União, Parque dos Pirineus, Arco Íris e São José (este último em fase, ainda, de ordem de serviço) e serão iniciadas as reformas nas unidades dos setores: Paraíso, Bairro de Lourdes, Calixtolândia, JK, Alexandrina, Jardim Alvorada, Santo Antônio, Fabril e Maracanã.
O secretário citou que a rede, além das unidades básicas, dos Cais, do Hospital Municipal e da UPA-24 horas, conta ainda com atendimentos especializados como o Hospital da Mulher, o SAMU, o Hospital Dia do Idoso- que afirmou ser uma referência nacional- três CAPs, para atendimento na área de saúde mental e os centros de especialidades em saúde bucal. Essas unidades citadas, são, todas elas, são geridas pelo Município e a rede conta ainda com o Hospital de Urgências (Huana), a Santa Casa, a Maternidade Dr. Adalberto Pereira e o Hospital Espírita Psiquiátrico, além das unidades de saúde do setor privado. De acordo com o secretário, é necessário que toda esta rede funcione de forma articulada e é isso que vem sendo trabalhado.
O secretário informou também que foi firmado o primeiro protocolo de urgência e emergência, o que fará com que a rede aumente, muito em breve, o número de UTIs adulto de 33 para 51 e de UTIs pediátricas de 10 para 23. “Não resolve todos os problemas, mas é um avanço muito grande”, assinalou o secretário. Segundo ele, só para se ter uma ideia, 80% das crianças que são internadas nas UTIs pediátricas em Anápolis, são de fora do Município.

Resumo de atendimentos na rede municipal

SAMU
(Janeiro a setembro de 2014)
Total: 38.743
Média mensal: 4.305

CAPS- SAÚDE MENTAL
(Janeiro a setembro de 2014)
Total: 12.772
Média mensal: 1.420
Consultório de Rua
Total: 1.213
Média mensal: 136
Ambulatório
Total: 5.115
Média mensal: 570

SAÚDE BUCAL
(Janeiro a setembro de 2014)
Pacientes: 99.827
Média mensal: 11.100
Procedimentos: 387.621
Média mensal: 43.100

CAIS ABADIA LOPES
(Janeiro a setembro de 2014)
Ambulatório: 14.464
Média: 1.610
Emergência: 78.094
Média: 8.677

CAIS PROGRESSO
Ambulatório: 32.687
Média: 3.650
Emergência: 55.627
Média: 6.180

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Saúde realiza vacinação contra a gripe até dia 26 de maio

19/04/2017

A 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou na última segunda-feira, 17, e as vacinas estão disponívei...

Vereadora consegue recursos para castração de animais

19/04/2017

A vereadora Thaís Souza (PSL) conseguiu junto ao deputado estadual Lincoln Tejota (PSD), uma emenda de R$ 180 mil será dest...

Medo da febre amarela? tire suas dúvidas

07/04/2017

Desde 1980 o Brasil não registrava um surto tão grande de febre amarela. De dezembro para cá, houve 2 104 casos notificado...

Dengue recua, mas a população ainda precisa ficar atenta e manter o combate

07/04/2017

A população anapolina pode comemorar. Os registros oficiais da Secretaria Estadual de Saúde, referentes à semana 13- de 0...