(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Anápolis perde para Aparecida de Goiânia em número de empresas

Economia Comentários 15 de novembro de 2013

Em contrapartida, o Município possui um nível salarial melhor, embora menor do que o de outros municípios goianos


Dados do Cadastro Central de Empresas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), obtidos pelo CONTEXTO, revelam que o número de estabelecimentos locais em Anápolis saltou de 7.653 unidades em 2006, para 9.011 em 2011, ou seja, um acréscimo de 17,74% no período. O Cempre utiliza como base o universo das organizações inscritas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - CNPJ, da Secretaria da Receita Federal, que no ano de referência declararam informações às pesquisas econômicas do IBGE e/ou aos registros administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego, conjugando informações provenientes das pesquisas nas áreas de Indústria, Construção, Comércio e Serviços do IBGE e da Relação Anual de Informações Sociais - RAIS, que é um registro administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego.
De acordo com o levantamento, o total de pessoal ocupado nas unidades locais passou de 65.969 para 94.205, de 2006 para 2011, representando um acréscimo de 42,80%. Já o pessoal ocupado assalariado, que era de 57.748, aumentou para 84.035, ou seja, um aumento de 45,52 nessa classe.
A pesquisa aponta, ainda, que a média do salário médio mensal do trabalhador anapolino permaneceu quase estável no período de 2006 a 2011, variando entre 2,3 e 2,6 salários mínimos. A boa notícia é que o mínimo aumentou e, quem recebia 2,5 salários em 2006, percebia R$ 875,00 e, em 2011, os mesmos 2,5 salários passaram a valer R$ 1.362,50. Atualmente, a média nacional é de 2,64 salários mínimos, ou R$ 1.792,61, conforme o IBGE.
A partir de 2008, a base de dados incluiu um dado mais exato sobre as unidades locais, apontando, dentre elas, as atuantes. Em 2008, elas eram 7.688, passando para 8.325 no ano seguinte, para 8.561 em 2010 e, em 2011, chegando a 8.650.
No comparativo com outros municípios goianos, Anápolis é o terceiro com maior número de empresa atuantes: 8.650, ficando atrás de Aparecida de Goiânia, 8.861 e de Goiânia, 54.691. Em número de pessoal ocupado e de pessoal ocupado assalariado, respectivamente, a relação é a mesma, sendo: Goiânia em primeiro com 645.917 e 572.562; Aparecida de Goiânia com 122.723 e 110.950 e Anápolis com 94.205 e 84.035.
Quanto ao quesito do salário médio mensal, em 2011, os três maiores municípios goianos não despontam no ranking dos melhores índices, sendo que, neste caso, a maior média levantada foi no município de Ouvidor: 5,0; seguindo por Campo Limpo de Goiás, Crixás e Urutaí, com 4,3 e Alto Horizonte, com 4,0. Anápolis registrou a média de 2,5, enquanto Goiânia e Aparecida de Goiânia, ficaram com as médias de 3,3 e 2,0, respectivamente.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...