(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Anápolis é o segundo maior gerador de riquezas em Goiás

Economia Comentários 29 de dezembro de 2010

Levantamentos oficiais consolidam Anápolis como a maior potência econômica do Estado, sepultando antiga polêmica de competição com Aparecida de Goiânia que tem maior população


A Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento do Estado de Goiás, por meio da Superintendência de Estatística, Pesquisa e Informação (Sepin), divulgou, em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios goianos de 2008. Os dados apontam Goiânia, Anápolis e Aparecida de Goiânia como os de maior participação na produção de riquezas para o Estado.
De acordo com a SEPLAN, o estudo permite identificar a riqueza produzida nos municípios, bem como identificar suas especificidades, contribuindo assim para o planejamento de políticas regionais e locais. O PIB dos municípios é calculado com metodologia uniforme para todas as unidades da Federação.
O PIB de Goiás atingiu o valor de R$ 75,275 bilhões em 2008, com acréscimo de R$ 10,065 bilhões em 2007, representando, portanto, uma taxa real de crescimento da influenciam a formação do PIB apresentaram desempenho positivo, sendo que a maior participação foi do setor agropecuário (19,12%), seguido pelo de serviços (6,47%) e o industrial (5,71%).
Os 10 municípios que lideram o ranking do PIB de 2008 contribuem com 61,01% na riqueza gerada em Goiás, na seguinte ordem: Goiânia (25,85%), Anápolis (8,32%), Aparecida de Goiânia (5,15%), Rio Verde (4,80%), Catalão (4,45%), Senador Canedo (3,06%), Itumbiara (2,72%), Jataí (2,47%), Luziânia (2,40%) e São Simão (1,78%).
No caso de Anápolis, os dados mostram um ganho expressivo de participação no PIB goiano, saindo de 7,17% em 2007, para 8,32 em 2008. Em valores nominais, de 4.677 bilhões para R$ 6,265 bilhões. “Esse ganho é explicado pela ampliação na montagem de automóveis que iniciou sua produção no mês de abril de 2007, além da expansão do comércio atacadista”, destaca a SEPLAN.

Per capita
Com relação à distribuição da riqueza (PIB per capita), os dados do estudo revelam que a primeira posição no ranking é do município de Alto Horizonte, com PIB per capita de R$ 107.065, seguido por São Simão (R$ 93.867), Cachoeira Dourada (R$49.578), Chapadão do Céu (R$ 46.531), Porteirão (R$ 35.565), Perolândia (R$ 33.965), Turvelândia (R$ 33.263), Catalão (R$ 42.062) e Ouvidor (R$ 29.404). “A distribuição do PIB per capita dos municípios em classes, dando ênfase aos dez maiores no ano de 2008, os quais, com exceção de Catalão e Senador Canedo, mostraram uma combinação de baixa população e atividade econômica expressiva”, pontua a SEPLAN.


Indústria
A atividade de indústria, em relação ao estudo do PIB, é composta pela extração mineral, transformação, produção e distribuição de eletricidade gás e água e construção civil. Em Goiás, essas atividades representaram 26,21% do valor adicionado em 2008, equivalentes a R$ 17,262 bilhões, com variação positiva de 5,71%, contribuindo com 1,54% na formação da taxa global do valor adicionado (VA). Com exceção aos segmentos de produção e distribuição de eletricidade, gás e água que apresentaram queda de 1,95%, as demais atividades registraram taxas positivas: indústria extrativa mineral (16,18%), construção civil (8,24%), indústria de transformação, (6,16%).

Anápolis ocupa o segundo lugar em relação ao VA da indústria (11,27%), de acordo com a SEPLAN, com concentração de indústrias ligadas ao ramo farmacêutico, produção de adubos, produtos alimentícios, embalagens e metalurgia. O setor industrial contribuiu com 42,67% no VA do município. Anápolis, ainda segundo o estudo, tem apresentado crescimento continuo do setor industrial, especialmente nas atividades ligadas à indústria de transformação. “No ano de 2008 a atividade de montagem de automóveis foi a principal responsável pela elevação do faturamento do setor, com produção de 11.268 veículos, contra 2.983 em 2007, ano inicial da produção. As atividades de fabricação de óleos vegetais, adubos e fertilizantes, fabricação de ração e embalagens também tiveram forte crescimento”, destaca a SEPLAN.

Diferenciais
Anápolis é o segundo município mais rico do Estado, representando 8,32% do PIB de
Goiás. Seu Produto Interno Bruto em 2008 era de R$ 6,265 bilhões, estruturado com 56,52% no setor de serviços e 42,67% no setor industrial. Localizado entre a Capital do Estado, Goiânia, e a Capital Federal, Brasília, Anápolis se situa no cruzamento de dois eixos rodoviários importantes, a BR-153, de sentido norte-sul e a BR-060, de sentido leste-oeste, e no ponto de integração da Ferrovia Norte-Sul com a Ferrovia Centro Atlântica. Conjugado à localização estratégica, concentram-se no município grandes centros de distribuição comercial e indústrias farmacêuticas, com destaque para produção de medicamentos e montagem de veículos automotores. A Estação Aduaneira Interior (Eadi) - Porto Seco Centro-Oeste, melhora a competitividade das empresas, o que agiliza as operações de importação e exportação. Anápolis conta ainda com pólo educacional de nível superior e técnico que garante a capacitação da mão de obra local e a Base Aérea Militar do Planalto.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...