(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Anapolino explora milenar técnica da pirogravura

Cultura Comentários 21 de maio de 2015

Desenhos são feitos à fogo em superfície de couro, permitindo vários tipos de temas como abordagem


O tatuador Wilson Alves da Mata, há cerca de oito anos, recebeu como pagamento de um trabalho, um pequeno quadro com um desenho em couro feito com fogo. A técnica é chamada de pirografia, palavra de origem grega que significa: escrita + fogo. É uma arte milenar, mas que hoje vem sendo muito bem aceita no círculo das artes plásticas.


Há cinco anos Wilson da Mata vem trabalhando comercialmente com a pirogravura, técnica que foi desenvolvendo ao longo deste período, permitindo a utilização de materiais mais adequados. A principal matéria-prima, o couro, vem de Trindade e, em breve, também de fornecedores de Minas Gerais.


O artista revela que, no caso dos quadros, não é um couro qualquer, mas uma peça preparada especialmente para esta finalidade, ou seja, sem pigmentação, curtido e refinado. Como os desenhos são feitos à fogo, a técnica exige muita destreza. E tudo é trabalhado com muita riqueza de detalhes. Uma obra de arte de fato, que fica bem em diversos tipos de ambiente.


Um dos parceiros de Wilson da Mata é a empresa Garoti, que trabalha com linhas de produtos country. Daí, inclusive, surgiu outro nicho do trabalho artístico, que é a personalização de botas utilizando a técnica da pirogravura. “As possibilidade são muito grandes, inclusive, trabalhos bem detalhados com o uso de fotografias”, explicou o artista, que está satisfeito com a receptividade do trabalho.


Embora a produção esteja em franca expansão, Wilson da Mata ainda não realizou nenhuma mostra pública do seu trabalho, mas espera que isso venha ocorrer em breve. “Acredito que vai haver uma boa repercussão”, sublinhou, observando que não tem conhecimento, em Anápolis, de outros artistas que desenvolvam esta técnica.


Por se tratar de um trabalho em couro, que aparenta rusticidade, os temas expressos nas telas são de animais e paisagens do campo. Mas, o desenho é de livre escolha do cliente. “Fica muito interessante e rica, também, a abordagem com temas religiosos”, pondera o artista.


As pessoas interessadas em conhecer mais sobre a pirogravura ou adquirir uma peça, podem entrar em contato diretamente com Wilson da Mata no seu ateliê - Alessandro Tattoo, pelos telefones: 3098-3031 ou 9121-0128 ou na Garoti Moda Country. Ou, ainda, por meio de seu representante, Maykrronny: (62) 9235-5509.


 


Curiosidades


- Arte de desenhar sobre uma superfície de madeira, ou couro, com uma ponta incandescente ou uma chama fina. Às vezes o desenho é reproduzido por meio de chapas quentes submetidas à pressão. O veludo e, até mesmo, o vidro podem ser decorados dessa maneira.


- A pirografia ou pirogravura (escrita ou pintura a fogo) são formas de arte, bastante antigas e existem desde que o homem descobriu o fogo, há cerca de 10 mil anos.


- Existe um aparelho apropriado para fazer esta arte que se chama Pirógrafo, o qual é ligado à eletricidade e possui diversas pontas de metais. Estas pontas diferenciadas permitirá que se realizem trabalhos variados de gravura. De acordo com a peça e o desenho a ser gravado, é que se escolherá a ponta de metal a se utilizar. Quanto mais macio for o material trabalhado, mais se exige habilidade para que não se produza uma marca muito profunda na peça.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Cultura

Escola de artes oferece oficina de gravura em metais

16/11/2018

A Escola de Artes Oswaldo Verano, unidade cultural de formação mantida pela Prefeitura, vai ofertar uma oficina de aplicaç...

Monty Python chega a Anápolis pela Companhia Cotovelo, do DF

16/11/2018

A Companhia Cotovelo é uma companhia de Brasília formada por quatro integrantes que trabalham no espaço Casa dos Quatro, o...

Lei Goyazes prorroga prazo para inscrições de projetos

25/10/2018

A Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás (Seduce), por meio do Programa de Incentivo à Cultura – Lei Goyaze...

“Drama de um doente imaginário” em cartaz

27/09/2018

Um senhor hipocondríaco decide casar sua filha com um médico para abater os custos com a sua saúde. Este é o início da ...