(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Alta temperatura traz sérios riscos aos atletas

Saúde Comentários 25 de setembro de 2015

O intenso calor e a baixa umidade do ar deste período do ano podem levar os atletas a níveis altos de hipertermia, prejudicando a integridade das células nervosas


s jogos do campeonato brasileiro que estão sendo realizados às 11h, no início de primavera, com altas temperaturas e baixa umidade relativa do ar, reabrem uma antiga discussão no futebol. Exercícios físicos competitivos que exigem esforços no limite da tolerância em temperaturas altas são sempre um perigo para a integridade dos atletas.


A sequência de eventos que podem representar risco e, eventualmente levar a um episódio mais sério para a saúde, já é bastante conhecida. A luta contra o calor exige intensa sudorese e, consequentemente, enorme perda de líquidos e sais minerais. Quando a perda é maior que a reposição, a desidratação é inevitável. Além da desidratação, a perda de sódio em grande quantidade pelo suor pode levar à temida hiponatremia, com sérias consequências.


Quando o corpo vai progressivamente se desidratando, fica cada vez mais difícil evitar a elevação da temperatura corporal. A temperatura do corpo já teria uma tendência a aumentar devido à enorme produção de calor durante o exercício intenso. Quando a temperatura ambiente fica acima dos 30ºC, a perda de calor pelo corpo é extremamente difícil. Esta dificuldade é muito agravada pela diminuição dos líquidos corporais, prejudicando a sudorese e a evaporação do suor que, nesta circunstância, é a única forma de perder calor.


O resultado inevitável é a elevação cada vez mais perigosa da temperatura corporal. Neste caso, o órgão mais vulnerável é o sistema nervoso central. A hipertermia que se instala ameaça perigosamente a integridade e função das células nervosas. Os episódios de tontura, distúrbios visuais, mal estar, geralmente acompanhado de vômitos, são sinais de alerta que apontam para um risco eminente que deve ser evitado.


O perigo, na verdade, é ainda maior para os atletas, pois ao contrário do que se poderia pensar eles não estão mais protegidos. Os atletas toleram mais o sofrimento e, consequentemente, podem atingir níveis de hipertermia mais acentuados. Entretanto, a vulnerabilidade de suas células nervosas é a mesma que a dos indivíduos comuns. A chance de ocorrer uma lesão neurológica é, portanto, maior.


Os jogos às 11h são um sucesso de público e até se tornam mais convenientes para um domingo pelo horário. Entretanto, os "artistas" responsáveis pelo espetáculo são expostos a um risco que precisa ser evitado. No último domingo, tivemos mais de 40 graus de temperatura e umidade de 8% neste horário, no jogo entre Goiás e Joinville, no Serra Dourada. Quem responde pela liberação de um jogo de futebol profissional nestas condições está assumindo um risco que a ciência e até o bom senso reprovam.


 

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Anápolis tem alta incidência de sífilis

20/10/2017

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou o Boletim Epidemiológico da Sífilis, publicação técnica da Coordenação Estad...

Goiás registra queda nos casos de catapora

05/10/2017

A catapora, cientificamente chamada varicela, é uma infecção viral primária, aguda, altamente contagiosa, caracterizada p...

Protesto contra a falta de insulinas

28/09/2017

A falta de regularidade na dispensação de insulinas e insumos aos diabéticos cadastrados em um programa mantido pela Prefe...

Região de Anápolis mantém baixa em novos casos de dengue

21/09/2017

Anápolis pode fechar 2017 com bons indicadores em relação à dengue. Desde o início do ano, o Município mantém uma baix...