(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Alta nas exportações goianas supera expectativa

Economia Comentários 14 de dezembro de 2012

Secretário de Indústria e Comércio, Alexandre Baldy, destaca que os números já bateram as metas previstas para o ano de 2012


As exportações goianas de novembro cresceram 18,3% em relação a este mês do ano passado e atingiu a marca de US$ 572,825 milhões. Já as importações tiveram recuo de 19,60% no mesmo período ao totalizar US$ 430,708 milhões. O resultado entre as operações de vendas e compras goianas no mercado internacional foi a geração de um saldo favorável a Goiás de US$ 142,117 milhões. Os dados foram anunciados na manhã desta segunda-feira, pelo secretário de Estado de Indústria e Comércio, Alexandre Baldy.
Pelo terceiro mês consecutivo, o milho puxou as exportações goianas (29,1%), seguido pelas carnes (19,4%), soja (12,5%), açúcar (9,2%), ferroligas (8,5%) e sulfeto de cobre (6,2). Os principais destinos das mercadorias goianas foram a Holanda, China, Japão, Índia, Rússia, Coréia do Sul, Estados Unidos, Arábia Saudita, Irã e Egito.
Nas importações, os principais parceiros comerciais foram a Alemanha (19,64%), Japão (15,35%), Estados Unidos (12,91%), Coréia (10,40%) e Tailândia (6,66%), seguidos pela Rússia, China, Suíça, Países Baixos e Índia. O Polo Farmoquímico goiano continua sendo o responsável pelo volume das importações dos produtos farmacêuticos (29,12%), seguido dos setores de montadoras de veículos e acessórios (24,52%), adubos e fertilizantes (15,14%) para a produção agrícola e ainda a compra de máquinas e equipamentos mecânico e elétricos (9,07%).

Acumulado do ano
De janeiro a novembro, as exportações goianas chegaram a US$ 6,574 bilhões, o que representa um significativo aumento de 37,2% em relação ao ano passado. As importações evoluíram apenas 4,2% ao atingir US$ 4,745 bilhões, proporcionando um superávit de US$ 1,829 bilhão. Esse valor é 752% maior que o saldo no mesmo período de 2011.
Contabilizando-se os resultados alcançados até este mês de novembro, a balança comercial goiana continua na trajetória ascendente percorrida até aqui. O secretário comemora a superação de expectativas no ano. Segundo ele, a conquista de novos mercados para os produtos goianos foram decisivos para o resultado. “Ultrapassamos metas em 2012 e o ano de 2013 será desafiador, especialmente se ocorrerem os ajustes ou recuperações de safras, naturais depois das quebras deste ano”, disse o Secretário, preferindo não fazer projeções para o próximo ano.
Mesmo considerando o peso as regiões produtoras de grãos de Goiás para as exportações goianas, como os municípios do sudoeste, onde se produz o maior volume de grãos no Estado, o secretário Alexandre Baldy lembrou que Goiás tem atividades frigoríficas em todos o estado e, portanto, atividades exportadoras de carnes estão pulverizadas por todas as regiões goianas, assim como os municípios produtores de minérios, sempre presentes na balança goiana e que são oriundos de várias regiões.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Prazo para quitar os parcelamentos de dívidas com a Receita Estadual acaba na próxima segunda-feira

22/02/2018

Na segunda-feira, dia 26, termina o prazo para os contribuintes que parcelaram o ICMS, ITCD e IPVA quitarem seus débitos jun...

Balança comercial de Goiás tem o melhor mês de janeiro em 10 anos

22/02/2018

A balança comercial do mês de janeiro, divulgada pelo governo de Goiás por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômic...

Polo de defesa foi apresentado na embaixada da Suécia no DF

22/02/2018

O projeto de implantação do polo de defesa em Anápolis foi apresentado na embaixada da Suécia, em Brasília, na última t...

Inadimplência das micro e pequenas cresce no Brasil

16/02/2018

Em dezembro/2017 o número de micro e pequenas empresas inadimplentes chegou a 4,937 milhões, de acordo com estudo da Serasa...