(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Alerta para a vacinação contra febre amarela

Saúde Comentários 04 de julho de 2014

A recomendação vale principalmente para as pessoas que forem viajar para localidades fora de áreas urbanas


A Secretaria Estadual da Saúde (SES) alerta a população para a importância de estar com a vacina contra a febre amarela em dia, principalmente nesta época de férias, quando muita gente viaja para fora de áreas urbanas. A coordenadora de Zoonoses da SES, Daniella Carpaneda, explica que a única maneira de se prevenir é por meio da vacina e que a doença é transmitida por algumas espécies de macacos silvestres e por isso, a preocupação com quem vai para áreas rurais e de matas. Em zonas urbanas, a doença já foi erradicada.
A vacina deve ser aplicada 10 dias antes da viagem para as áreas de risco de transmissão da febre amarela em pessoas a partir dos nove meses de idade e é válida por 10 anos. A vacina está disponível durante todo o ano, em todas as salas de vacina da rede pública de saúde do Estado. No site da Secretaria a população encontra a unidade de saúde mais próxima.
Os mais afetados pela doença são geralmente os jovens, do sexo masculino e que realizam atividades agropecuárias, ou praticantes do turismo ecológico e rural em áreas de risco, que não foram vacinados. De 1980 a 2008, Goiás registrou 80 mortes, sendo que o último surto aconteceu em 2008, com 17 casos. “É importante frisar que mais de 90% das pessoas que adquirem a doença não vão ao Posto de Saúde, já que os sintomas são brandos. Somente 10% dos casos são graves e, por isso, notificados”, explica Carpaneda. A febre amarela é uma doença febril aguda, não contagiosa, de curta duração (no máximo 12 dias), e que pode matar. “No começo a pessoa sente febre, dor de cabeça e nas costas, fraqueza, vômito, sintomas que lembram outras doenças, como a dengue. A pessoa tem uma melhora rápida clinicamente e pensa que está curada. Depois de 3 a 4 dias vem o caso se agrava, com febre alta, hemorragias, que pode levar matar”. Ao ter esses sintomas, a pessoa deve ir a uma unidade de saúde.
Desde 2009, a SES vem realizando uma série de ações para o monitoramento da circulação viral. “Com a pesquisa entomológica do vetor e o monitoramento de adoecimento ou óbitos de primatas não humanos (os macacos), que são alvos que funcionam como reservatório e amplificador do vírus”, afirma Daniella.

Site
Para tornar o entendimento menos complicado, a Secretaria da Saúde lançou o site “Amarelou Perdeu”, reunindo informações sobre a doença, formas de contaminação, prevenção, tratamento, áreas de maior risco e até onde ir em caso de suspeita. O endereço eletrônico foi construído em uma linguagem fácil e direta, que tem o único objetivo de esclarecer a população dos males que a febre amarela pode causar.
As crianças também são alvo da campanha. No site há um jogo eletrônico, programado especialmente para que elas aprendam sobre o assunto se divertindo. No game, as crianças têm que matar os mosquitos e, ao acertar as vacinas, eles ganham pontos. “Essa foi a maneira de atrair o público infantil e fazer dele um grande aliado na luta contra a proliferação do mosquito que transmite a febre amarela”, explica a chefe da Comunicação Setorial da Secretaria da Saúde, Flávia Lelis.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Mudanças no programa Farmácia Popular preocupam vereadores

22/06/2017

O Vereador Antônio Gomide (PT) falou na tribuna, na última segunda-feira, 19, sobre o possível fechamento da Farmácia Pop...

Município anuncia importantes reformulações na área da saúde

15/06/2017

Uma das áreas mais sensíveis da Administração, a pasta da Saúde, tem desafios que extrapolam os limites do Município. P...

Anvisa ouve reivindicações dos laboratórios goianos

15/06/2017

Anápolis recebeu, no último dia 09, a presença do médico sanitarista e epidemiologista, Jarbas Barbosa da Silva Júnior, ...

Projeto atende a quase 800 pacientes que estavam na fila

26/05/2017

Há dois anos, a auxiliar de limpeza, Lídia dos Reis, 38, sentia fortes dores de vesícula. As pedras acumuladas no órgão ...