(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Advogados de envolvidos acreditam na liberação em curto prazo

Geral Comentários 02 de maro de 2012

Detenção de empresários, policiais e lideranças variadas em algumas cidades de Goiás e do Distrito Federal repercutiu em todo o País. Os desdobramentos começam a surgir


O processo de investigação feito pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal, denominado “Operação Monte Carlo”, que culminou com a detenção de várias pessoas, dentre elas o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o “Carlinhos Cachoeira”, pertencente a uma família de Anápolis, repercutiu em todo o Brasil durante toda a quinta-feira, 01. Carlos Augusto foi preso em sua residência, em Goiânia, sob a acusação de comandar um esquema de jogos de azar em Goiás e no Distrito Federal. Estariam envolvidos, ainda, no caso, agentes da Polícia Federal, incluindo delegados, policiais militares de Goiás, empresários, comerciantes e outras pessoas conhecidas da sociedade goiana.
A operação é resultado de um processo investigatório que se arrastou por longos meses, visando apurar os nomes de envolvidos em organizar apostas nos chamados caças-níqueis e jogo do bicho. Mas, de acordo com o advogado Arinilson Mariano, que faz parte do grupo de causídicos contratados para a defesa de alguns dos acusados, existem equívocos no procedimento que podem determinar a soltura dos envolvidos em curto espaço de tempo. Ele alega, por exemplo, que a acusação de se promoverem jogos é codificada como contravenção e, não crime. Neste caso, não haveria a necessidade do aparato mobilizado para a detenção dos acusados, pois praticamente todos são primários; de bons antecedentes, com residência fixa e outras atenuantes que garantiriam a eles que respondessem, em liberdade, aos procedimentos do Ministério Público e do Judiciário. De acordo com Arinilson Mariano, com estas argumentações, vai ser possível requerer habeas corpus, relaxamento de prisão e outros recursos que coloquem os acusados em liberdade imediata.
Em resumo, o advogado assegura que praticamente todos os acusados estariam dispostos a colaborarem com as autoridades nos levantamentos que apontariam a participação de cada um no processo. Concluindo, Arinilson Mariano disse que os advogados estão trabalhando na produção de provas e buscando as saídas legais para que o caso seja conduzido sem pirotecnia ou estardalhaço. “Trata-se de um caso de contravenção, tipificado em lei e que entendemos estar sendo tratado com rigor excessivo. Nos próximos dias a sociedade brasileira vai ter a oportunidade de saber, com certeza, o que realmente aconteceu. Além do mais, confiamos na Justiça e acreditamos que ela será feita”, assegurou.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Capitão Waldyr pode ser nome da Plataforma

13/07/2017

Decano da indústria, com uma folha de mais de 60 anos prestados aos classismo e, em especial, à Federação das Indústrias...

Prevista redução de construtores com novas exigências do MC

13/07/2017

A exigência do Ministério das Cidades para que todos os pequenos e médios construtores tenham o Cadastro Nacional da Pesso...

Anápolis presente no Conselho Nacional de Juventude

06/07/2017

A assessora de juventude da Secretaria Municipal de Cultura, Larissa Pereira, foi eleita para ocupar uma das três cadeiras d...

Ubiratan Lopes é empossado na presidência da FACIEG

29/06/2017

O empresário anapolino Ubiratan da Silva Lopes foi empossado na presidência da Federação das Associações Comerciais, In...