(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Acordo extrajudicial. Reforma trabalhista

Contexto Jurídico Comentários 11 de outubro de 2018


Uma das grandes novidades da reforma trabalhista, Lei nº 13.467/2017, é o processo de homologação extrajudicial, previsto dos artigos 855-B a 855-E, da Consolidação de Leis Trabalhista.
Antes de adentrar no mencionado assunto, é importante destacar que o Acordo Extrajudicial, se realiza na vigência do contrato de trabalho, ou seja, quando as partes, empregado e empregador desejarem realizar determinado ajuste no curso do contrato de trabalho. Difere, portanto, do Acordo de Rescisão Contratual, mencionado artigo 484-A da Consolidação de Leis Trabalhistas, que se realizam quando as partes desejam extinguir o vínculo empregatício.
Ressalta-se que antes da reforma, se o empregador e empregado pretendessem efetivar algum tipo de alteração contratual, durante sua vigência, o acordo ficava apenas entre eles, e não entrava na esfera judicial.
Deste modo, a concordância não possuía a capacidade de garantir as partes uma segurança jurídica, pois era sujeito de questionamento perante o judiciário.
Com a implantação da reforma, o Judiciário Trabalhista pode ser movimentado para homologação de acordo extrajudicial, possibilitando a outorga de forma da quitação na forma ajustada.
Para melhor compreensão é necessário destacar alguns pontos relevantes da referida mudança. O primeiro ponto importante para destacar, é que as partes devem apresentar, de início, petição conjunta, porém, com diferentes advogados como seus representantes.
O juiz designará audiência se entender necessário, e, logo depois, proferirá sentença. A decisão de homologação de acordo extrajudicial suspende o prazo prescricional da ação quanto aos direitos nela especificados.
Os Juízes têm a faculdade de não homologar o acordo extrajudicial, devendo fundamentar o motivo na sua sentença. Questão de grande dúvida surgida se dava, sobretudo aos interessados, quanto a obrigação do magistrado concordar / homologar. No entanto, resta claro que se o julgador analisar que o ajuste visa fraudar direitos trabalhistas, este não deverá homologar tal acordo.
Concluindo, pode-se atestar que o dispositivo proporciona considerável mudança para as relações de trabalho e, se bem utilizado, trará benefícios para ambas as partes, bem como contribuirá para desafogar ou descongestionar o Judiciário com a redução de demandas, muitas vezes complexas e com desdobramentos em várias instâncias.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Jurídico

Locar imóvel por curto período não altera seu caráter residencial, diz Tribunal de Justiça de São Paulo-TJSP

17/04/2019

Proprietários de imóveis que exploram o bem alugando-o em sites de hospedagem têm conseguido decisões favoráveis no Trib...

Responsabilidade pelo pagamento do IPTU – imposto sobre propriedade predial e territorial urbana

05/04/2019

Quando se trata de aluguel de imóvel uma das dúvidas mais frenquentes é, quem será o responsável pelo pagamento do IPTU ...

Contribuição sindical e seu caráter facultativo

15/03/2019

A Presidência da República editou a Medida Provisória 873, em 1º de março do corrente ano – MP 873/2019, que proíbe a...

Plano de Saúde deve custear cirurgia reparadora para paciente que foi submetido à bariátrica

07/03/2019

O entendimento do Superior Tribunal de Justiça - STJ, quanto à realização da cirurgia para a redução do estômago, indi...