(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

A partir de novembro as multas de trânsito sofrerão reajustes

Geral Comentários 26 de agosto de 2016

O valor da multa para infrações leves, subirá de R$ 53,20 para R$ 88,38. Já as multas por infrações gravíssimas vão passar de R$ 191,54 para R$ 293,47


Motoristas e proprietários de veículos, fiquem atentos! A partir de 1º de novembro próximo, com a alteração do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) pela Lei Federal n.º 13.281, de 4.5.2016, haverá um novo aumento no valor das multas por infrações de trânsito.
A infração gravíssima, que antes tinha multa no valor de R$ 191,54, passará a ter o valor de R$ 293,47, já às multas por infração grave passarão para R$ 195,23, anteriormente o valor era de R$ 127,69.
Para infração média as multas passarão de R$ 85,13 para R$ 130,16. Já as infrações leves que antes tinham o valor de multa de R$ 53,20 passarão a valer R$ 88,38. Desde quando o CTB entrou em vigor, as multas não eram reajustadas.
O Coordenador Geral de Planejamento Operacional do Denatran, Carlos Magno, esclarece como é distribuída a receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito. “Nós temos o artigo 320 do Código de Trânsito Brasileiro, ele é bem claro quanto à aplicação da receita decorrente da arrecadação de multas de trânsito, devendo ser destinadas a atender exclusivamente despesas públicas como sinalização, engenharia de tráfego, engenharia de campo, policiamento, fiscalização e educação de trânsito. As receitas não podem ser aplicadas em outras finalidades, em outras situações que não sejam essas”, esclareceu o coordenador.
Ademais, o órgão de trânsito arrecadador é obrigado a repassar 5% do valor arrecadado ao Fundo Nacional de Segurança e Educação de Trânsito (FUNSET), nos termos do parágrafo único do art. 320 do Código de Trânsito Brasileiro.

Cartilha
O Denatran emitiu uma cartilha orientadora para os órgãos de trânsito, chamada “Cartilha de Aplicação de Recursos Arrecadados de Multas de Trânsito” que é a portaria, número 407 de 2011. “Nós levamos em consideração toda a necessidade de estabelecer um instrumento normativo que disciplina a aplicação da receita arrecadada das cobranças de multas de trânsito de forma que tem uma fundamentação mais apropriada para interpretar o artigo 320 do CTB”, explicou Carlos Magno.
Portanto, nessa cartilha, são elencadas quais são as despesas públicas, quais são os elementos de despesas com a sinalização, com a engenharia de tráfego, de campo, de policiamento, fiscalização e a educação de trânsito. É uma cartilha orientadora e ela serve como um norte para os órgãos de trânsito poderem efetivamente aplicar as receitas e também para os órgãos de controle fiscalizarem e ter uma melhor atuação.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Procon de Anápolis promove curso de Defesa do Consumidor

15/03/2019

Nesta sexta-feira, 15, comemora-se o Dia Internacional do Consumidor e, em alusão a data, a Prefeitura de Anápolis, por mei...

Mulher trabalhadora recebe 79,5% do rendimento do homem no Brasil

15/03/2019

Em 2018, o rendimento médio das mulheres ocupadas com entre 25 e 49 anos de idade (R$ 2.050) equivalia a 79,5% do recebido p...

Adesão automática a cadastro vai à sanção presidencial

15/03/2019

A adesão automática de consumidores e empresas aos cadastros positivos de crédito segue para sanção presidencial. O Plen...

Vereador pede reativação da Delegacia de Meio Ambiente

15/03/2019

O vereador Valdete Fernandes (PDT) sempre se mostrou incomodado e sensível quanto às questões ambientais no município de ...